Autor Tópico: [UFC Fight Night] Rockhold vs Branch- 16 de Setembro  (Lida 175 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Rodrigo Cesar

  • Administrador
  • Estado:
    Online
  • Registo: Ago 2008
  • Localidade: São Paulo - Brasil
  • Mensagens:
    37244
  • Nacionalidade: br
  • Pts Tipsr:
    4846
em: 28 de Agosto de 2017, 15:38
The wisdom of the fool won't set you free

http://www.apostaganhabr.com/



Biscione

  • Devedor
  • B
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Out 2011
  • Localidade:
  • Mensagens:
    217
    Pts Tipsr:
    106
em: 16 de Setembro de 2017, 15:58
UFC Fight Night Rockhold vs. Branch
Luta: Luke Rockhold vs. David Branch
Hora: 05:30 GMT


Este fim de semana o octógono ruma à “cidade do aço”, Pittsburgh, para mais uma noite de lutas. O cartaz é encabeçado pela disputa entre dois lutadores de topo da divisão de médios (até 83,9 kg), o ex-campeão da categoria Luke Rockhold enfrenta o ex-campeão de duas divisões do WSOF, David Branch.

Luke Rockhold, californiano de 32 anos é um lutador que dispensa muitas apresentações. Ex-detentor do título dos médios do UFC e do Strikeforce, é considerado por muitos como um dos melhores, se não mesmo o melhor peso médio da atualidade.
Rockhold começou a dar nas vistas no extinto Strikeforce, onde em 2011 alcançou o título de peso médio após vencer o até então campeão Ronaldo “Jacaré” Souza durante uma demonstração de vasta superioridade em 5 cinco rounds.
Após a dona do UFC, Zuffa, ter adquirido o Strikeforce, parte do seu “roster” foi absorvido no Ultimate, onde se incluía Luke Rockhold.
Com uma entrada em falso no UFC ao ser derrotado por KO face a um Vitor Belfort turbinado pela infame terapia de reposição de testosterona, Luke viu-se obrigado a dar um passo atrás e após alcançar cinco triunfos consecutivos enfrentou Chris Weidman pelo cinturão acabando por vencer através de um TKO.
Quando se esperava o início de uma nova dinastia na frente das 185 lbs eis que sua última luta e primeira defesa de título acaba por perder surpreendentemente por KO o cinturão para um Michael Bisping chamado à última hora para substituir Chris Weidman naquilo que seria uma revanche do combate de título anterior. Assumindo posteriormente ter encarado Bisping de forma displicente uma vez que já tinha vencido o mesmo com alguma facilidade num combate anterior, Rockhold entrou numa espécie de hiato enquanto procurava ver de que forma se desenvolvia a divisão, afirmando que não queria combater sem garantia de um acesso a curto prazo a uma nova disputa de cinturão.
Enquanto a frente da divisão se mantém algo “confusa” com um campeão e um campeão interino que aparentemente não se vão enfrentar tão cedo, é chegada a hora de Rockhold voltar à atividade de forma a se manter relevante.
Rockhold é um verdadeiro espécime físico daquilo que é um lutador de MMA. Dentro do seu 1,91m é absolutamente um dos maiores e mais fortes pesos-médios em atividade.
Apoiado na sua envergadura possuí um striking de meter respeito, especialmente aquele pontapé de assinatura canhoto ao fígado. O seu chão é igualmente mortífero, seja no “ground n’ pound” onde privilegia o uso dos cotevelos, seja através de submissões rápidas e traiçoeiras, com destaque para o “mata-leão”.

David Branch de 35 anos tem talvez aqui nesta luta a oportunidade mais importante da sua carreira.
A viver uma segunda oportunidade no UFC após ter sido cortado da organização em 2011, desde aí Branch compilou um cartel de 13 vitórias em 14 lutas, com o último triunfo já de novo dentro do UFC frente a Krzysztof Jotko.
Durante esse período de seis anos Branch fez nome dentro do WSOF (World Series of Fighting) onde venceu e deteve simultaneamente o cinturão de peso-médio e peso-meio pesado da organização. A única derrota foi sofrida por decisão frente ao ex-desafiante do cinturão de meio pesado do UFC, Anthony “Rumble” Johnson.
Branch é um lutador que se destaca igualmente pela excelente moldura física com 1,85 m de altura e uns incríveis 2,01 m de envergadura, muito úteis para o seu jogo de boxe como para as tentativas de “takedown”.
David Branch possui uma faixa preta de BJJ através de Renzo Gracie e isso por si só já é um indicador de quão afiado é o “grappling” de Branch.
Já no “stand-up”, apesar da envergadura não tem um striking do mais fluído e límpido, mas aguenta-se e defende-se bem, apoiado no queixo resistente e duro.

A disparidade das odds deste combate não refletem de todo o valor dos lutadores. Rockhold é favorito, mas o combate não deverá ser tão fácil como as possibilidades aparentam.
Ter sido campeão de duas divisões no WSOF é um cartão de visita já por si suficiente para demontrar o valor de Branch e se bem que o valor do WSOF não é nem pouco mais ou menos o mesmo do UFC, basta lembrar o que Justin Gaethje, ex-campeão peso-leve do WSOF fez a Michael Johnson quando chegou ao UFC.
Dito isto, este é um combate onde apenas concebo a vitória de Rockhold porque pura e simplesmente é superior a Branch a todos os níveis de combate.
O maior defeito de Rockhold, e aquele que lhe tem causado mais dissabores, nem é na minha opinião algo físico, mais sim a sua sobranceria e a forma por vezes algo “snob” com que encara as lutas. Foi isso que ajudou que perdesse com Belfort e foi totalmente isso que o fez perder o cinturão para um inferior Michael Bisping em Junho do ano passado.
Branch é um lutador físico que vai procurar tornar a luta “suja” com muito clinch e wrestling à mistura e isso poderá atrasar, mas não evitar na minha opinião a vitória de Rockhold. O californiano já enfrentou ”grapplers” de topo como Jacaré ou Tim Kennedy e a verdade é que sempre o fez com distinção.
Com cinco rounds de cinco minutos à disposição vejo um Rockhold na sua habitual calma a escolher os golpes e a desgastar Branch no processo, vencendo por TKO ou submissão na segunda metade do combate.


Aposta: Rockhold a vencer por finalização (KO, TKO, DQ ou Submissão) @1.60 Unibet



Biscione

  • Devedor
  • B
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Out 2011
  • Localidade:
  • Mensagens:
    217
    Pts Tipsr:
    106
em: 16 de Setembro de 2017, 17:13
UFC Fight Night Rockhold vs. Branch
Luta: Kamaru Usman vs. Sérgio Moraes
Hora: 03:30 GMT


No card principal temos uma luta entre dois valores sólidos da divisão de meio-médio (até 77,1 kg), o nigeriano Kamaru Usman e o brasileiro Serginho Moraes.

Kamaru Usman de 29 anos é vistos por muitos como um dos possíveis próximos desafiantes ao cinturão de meio-médio.
Nascido na Nigéria mas desde muito cedo radicado nos EUA, Usman fez o tradicional caminho de wrestling universitário norte americano onde se sagrou com distinção All American da Division II da NCAA.
Com a transição feita para o MMA, Usman aparece definitivamente na cena quando entra na casa do TUF 21 (The Ultimate Fighter), reality-show do UFC naquela altura com o tema do confronto entre duas das academias de topo da Florida, a American Top Team e a Blackzilians à qual Usman pertencia. Com uma performance imaculada, Usman venceu a final e carimbou o seu contrato e entrada no UFC.
Depois disso continuou a sua performance de bom nível e somou mais quatro vitórias na divisão começando a “exigir” adversários de nível maior que desafiem o até agora domínio que vem impondo nos seus combates.
O estilo de Usman assenta na sua base de luta livre, muito bem secundada pela estirpe física de Usman, acima do comum “welterweight” e essencial para o domínio físico com que Usman “fecha” os seus oponentes. Quando se proporciona, não enjeita finalizar a luta através de mata-leão, especialmente quando o domínio físico do seu wrestling se torna arrebatador para o adversário.
O seu “striking” vem evoluindo e mostrando-se igualmente de relevo, mas ainda a um nível inferior daquilo que demonstra enquanto “wrestler”.

Serginho Moraes, 35 anos, é um dos mais ilustres representantes do Ju Jitsu brasileiro no UFC. Multicampeão brasileiro e mundial de BJJ, Moraes também fez a sua estreia no UFC através do primeiro TUF realizado Brasil, onde também alcançou a final de pesos-médios que perdeu para Cezar “Mutante” Ferreira.
O certo é que desde daí em 7 combates em meio-médio nunca mais perdeu e o máximo que cedeu foi um empate frente a Luan Chagas.
A base de BJJ faz com que o forte de Serginho seja evidentemente quando está no chão. Tanto por cima como por baixo, Moraes é capaz de submeter rapidamente o seu oponente e em diferentes condições. Contudo vem demonstrando cada vez mais um boxe de impor algum respeito que mesmo estando longe daquilo que se considera elite a nível de striking, já lhe serviu para garantir recentemente uma vitória por TKO.

Cada um a seu estilo, mas tanto Usman como Moraes são o exemplo do melhor “grappling” que existe na divisão de meio-médio do UFC. Ora quando dois bons “grapplers” se enfrentam muitas vezes o respeito que têm um pelo outro faz com que a luta se desenrole contraditoriamente em pé. Existem aqui boas hipóteses que isso aconteça aqui.
O maior interesse de levar a luta para o chão será de Serginho Moraes, o problema é mesmo como poderá o brasileiro alcançar esse desiderato pois terá extremas dificuldades em levar um Division II All American contra vontade para o solo, não só pelos pergaminhos de wrestling que Usman tem, como pela superioridade física que o nigeriano deve apresentar no dia da luta.
Usman deverá usar muito boxe e algum “clinch” para controlar Moraes, sem lhe dar chances para que se abra uma chance de submissão. Esse domínio físico de Usman manterá Moraes a uma distância de segurança e culminará em mais uma vitória por decisão do nigeriano, o 5º triunfo consecutivo a acontecer dessa forma desde que Usman entrou no UFC.


Aposta: Kamaru Usman por decisão @1.57 Bet365



Forum de Apostas

Re: [UFC Fight Night] Rockhold vs Branch- 16 de Setembro
« Responder #2 em: 16 de Setembro de 2017, 17:13 »

Biscione

  • Devedor
  • B
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Out 2011
  • Localidade:
  • Mensagens:
    217
    Pts Tipsr:
    106
em: 16 de Setembro de 2017, 19:09
UFC Fight Night Rockhold vs. Branch
Luta: Hector Lombard vs. Anthony Smith
Hora: 04:30 GMT


Também no card principal temos um confronto entre dois pesos-médios (até 83,9 kg), numa luta que promete emoções fortes.

O cubano Hector Lombard aos 39 anos é já um dos veteranos do “roster” do UFC.
Formado inicialmente em Judo, chegou a representar o seu país nos Jogos Olímpicos de Sydney em 2000. Feita a transição para o MMA, Lombard combateu em algumas das organizações de luta mais conhecidas do mundo como o Bellator e o Pride, assim como por outras menos conhecidas até chegar ao UFC em 2012. Já no Ultimate e depois de começar com duas derrotas em três lutas experimentou baixar para a divisão de meio-médio até porque nos seus 1,75m é um peso médio relativamente baixo, e a verdade é que teve algum sucesso até ser apanhado nas malhas do controlo anti-doping por uso de esteroides anabolizantes o que levou a que fosse suspenso por um ano.
Após a suspensão efetuou três lutas, uma em peso meio-médio e as outras duas de volta ao peso médio e a verdade é que perdeu todas. Nessas lutas ficou especialmente visível a facilidade com que perdia “gás” com o decorrer do combate e já no ocaso da carreira uma vitória reveste-se de extrema importância para que mantenha o seu posto nas fileiras do UFC.
Apesar das faixas pretas tanto em Judo como em BJJ, Lombard tem-se revelado com os anos cada vez mais um “striker”, senão mesmo um “brawler” que se envolve facilmente em trocas francas de golpes e isso é provado pelo facto de que as únicas vezes que foi nocauteado foram na sua penúltima e antepenúltima lutas, já após a imposição do protocolo anti-doping da USADA no UFC o que acaba por lançar uma mancha menos clara na carreira de Lombard.
O seu físico impressiona pela densidade muscular, mas como qualquer carro com um motor forte, esse motor também consome muito combustível e isso tem sido cada vez mais a metáfora da carreira de Lombard.

Anthony “Lionheart” Smith de 29 anos é como o próprio apelido revela, um lutador de enorme coração.
Com uma carreira espartilhada por várias organizações de luta menores nos EUA, Smith chega primeiro ao UFC proveniente do Strikeforce, através da absorção da segunda na primeira em 2013. Após perder a luta de estreia acaba por ser libertado e soma sete vitórias consecutivas fora do Ultimate o que lhe valeu o bilhete de volta para o UFC em 2016. Após um bom inicio, revelou mais uma vez as suas fragilidades no “grappling” ao ser dominado por Cezar “Mutante”. Recuperou e atualmente vem com duas vitórias consecutivas procurando a terceira frente a Lombard, que caso consiga ultrapassar será de longe o nome mais conhecido que venceu na carreira.
Smith é um “striker”, bem apoiado no facto de ser enorme para a divisão e acima de tudo é um lutador que procura constantemente finalizar o seu combate, bem explícito pelo facto de ter finalizado 24 das suas 27 vitórias.
O seu calcanhar de Aquiles tem sido sempre o solo e na relativa facilidade com que um bom “grappler” conseguia e de certa forma ainda o consegue dominar. Ainda assim este é um quesito que Smith vem evoluindo e que ainda poderá evoluir muito no tempo.

Uma luta que acredito que seja uma das mais entretidas da noite.
Ambos os lutadores são propensos à finalização e ambos tem o hábito de distribuir pancada com a guarda baixa. Aqui não deverá ser diferente.
Smith enquanto striker por excelência tem uma grande vantagem de ser 18 cm mais alto e 15 cm com maior envergadura face a Lombard. Isto vai obrigatoriamente levar o cubano a entrar no “pocket” de forma a acertar os seus golpes, mas vai igualmente deixá-lo exposto ao que Smith retribuir.
Nenhum dos lutadores é conhecido por ser um portento de capacidade cardiovascular e à medida que vejamos a luta a acumular minutos, também veremos as guardas de ambos os lutadores baixar ainda mais com o cansaço e isso a meu ver aumenta aqui exponencialmente as chances de vermos o combate a terminar antes dos quinze minutos de tempo final.
Se Lombard é aqui o mais experiente, Smith é o lutador fisicamente superior. Se Lombard sofreu os seus únicos dois KO’s nas suas últimas três lutas, Smith em metade das suas doze derrotas foi nocauteado. Tudo isto deixa a meu ver e à priori toda esta contenda algo nivelada, um pouco como sugerem as odds. Deste modo não vou escolher nenhum em particular para vencer, algo que considero ser um pouco moeda ao ar, mas vou escolher o método que acredito como o mais provável que faça terminar a luta.


Aposta: Qualquer lutador a vencer por KO, TKO ou DQ @1.75 Unibet



Biscione

  • Devedor
  • B
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Out 2011
  • Localidade:
  • Mensagens:
    217
    Pts Tipsr:
    106
em: 17 de Setembro de 2017, 10:59

Luta: Luke Rockhold vs. David Branch

Aposta: Rockhold a vencer por finalização (KO, TKO, DQ ou Submissão) @1.60 Unibet :ganha:


Domínio expetável de Rockhold com vitória através de uma invulgar submissão por golpes no 2º round. Branch ainda deu boa réplica de início mas acabou perfeitamente dominado.


Luta: Kamaru Usman vs. Sérgio Moraes

Aposta: Kamaru Usman por decisão @1.57 Bet365 :perdida:


Usman a vencer por KO no 1º round. Entrou forte a apostar no striking e acabou por apanhar Moraes com um forte direto que arrumou a luta.


Luta: Hector Lombard vs. Anthony Smith

Aposta: Qualquer lutador a vencer por KO, TKO ou DQ @1.75 Unibet :ganha:

Bastantes "power punches" e poucas combinações a voar durante o combate. Lombard uma vez mais a começar bem mas já com o gás a falhar acaba por ser apanhado por um cruzado de direita que terminou ali com a luta. Vitória por TKO no 3º round para Smith.



Tags:

 


Rede Apostaganha: Apostas e Prognósticos / Palpites e Dicas de Apostas / Pronósticos de Apuestas / Betting Tips and Predictions