Autor Tópico: Vício invisível. As histórias de quem perdeu tudo o que tinha no casino!  (Lida 3916 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

mara

  • Magnata
  • m
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Jun 2006
  • Localidade: Vila Praia de Âncora / Covilhã
  • Mensagens:
    46536
  • Nacionalidade: pt
  • Pts Tipsr:
    1633
É a dependência com maior taxa de suicídio. Por trás do glamour dos casinos há um mundo de desespero...

Não sei faz muita diferença de casino para jogo on-line, achei interessante....

Nos Jogadores Anónimos (JA) aprende--se que o jogo compulsivo conduz fatalmente a um de três finais: a morte, a loucura ou a prisão. E durante os anos em que jogou diariamente em casinos Helena esteve muito perto de morrer. Atolada em dívidas e incapaz de parar de jogar, tentou suicidar-se à frente dos quatro filhos. Mais tarde, nas reuniões dos JA, conheceu Hélder, que esteve a um passo de ir preso. Aos 30 anos já tinha um bom emprego na função pública – daqueles para toda a vida –, mas os problemas com o jogo levaram-no a desviar milhares de euros do local de trabalho. Foi apanhado, respondeu em tribunal e foi condenado a uma pena de prisão suspensa. José, 70 anos, viveu durante quatro praticamente sem comer nem dormir. Quase enlouqueceu.

Helena está há oito meses sem jogar, Hélder há dois anos e sete meses. José há oito anos. Mas por muito distante que esteja a última ida ao casino, um jogador compulsivo nunca deixa de o ser. A dependência do jogo é uma doença – reconhecida pela Organização Mundial de Saúde – que não tem cura.

Carta 1 – A morte Depois de sair do casino, Maria Helena pegou numa caixa de comprimidos e numa garrafa de whisky e tentou suicidar-se. Acabou inconsciente, no hospital, com os quatro filhos aos pés da cama. Foi a primeira de várias tentativas. A primeira vez que entrou num casino, em Macau, em 1994, a sorte de principiante sorriu-lhe e ganhou um prémio “enorme” numa slot machine. “Nem sabia como é que se jogava, fiquei perplexa a olhar para as moedas a caírem na bandeja”, recorda. Nessa mesma noite investiu o dinheiro todo. E perdeu.

Pouco tempo depois mudou-se para Portugal e arranjou uma casa perto do Casino do Estoril. Uma noite foi assistir a um espectáculo e decidiu voltar a tentar a sorte. Sentou-se a uma máquina e ganhou 100 contos. Mas a adrenalina do prémio foi o princípio do fim. Com o casamento à beira da ruptura, Helena passou a frequentar a sala de jogo todos os dias. “De certa forma, aquilo funcionava como uma espécie de evasão”, conta. No espaço de poucos meses, acabou com os plafonds de três cartões de crédito e o ordenado de economista deixou de chegar para pagar as dívidas ao banco.

“O problema do jogador compulsivo é que nunca há uma forma de parar: quando se ganha quer-se ganhar mais e quando se perde quer-se recuperar o que se perdeu”, diz. Nessa altura, em 1995, Helena decidiu parar de jogar e durante nove meses não entrou no casino. “A ressaca foi brutal. Sentia um vazio gigante”, recorda. O escape eram os chats na internet. “Ficava até às três da manhã a conversar com gente desconhecida.” Nove meses depois as contas estavam reequilibradas. Até que uma amiga regressa de Macau. “Levei-a a passear pela Marginal e quando ela viu o casino [do Estoril] pediu-me para entrarmos. Eu disse que podíamos ir mas que não jogaria.” Claro que jogou. E até ganhou 50 contos. Bastou uma tarde para o pesadelo recomeçar.

Helena chegou a aguentar três horas de pé na sala de jogo à espera que a máquina favorita – aquela em que tinha “mais fé” – vagasse. Chegou a estar de pijama, deitada, e a levantar-se de madrugada só para ir jogar. Acabou com o telefone fixo que tinha em casa para não correr o risco de alguém suspeitar que passava as noites fora. Durante o sono sonhava quase sempre com as slot machines. Nos três anos que se seguiram jogou todas as noites – e nunca mais voltou a ganhar um cêntimo. Numa só ida ao casino chegou a perder 800 euros. Acumulou seis créditos em bancos diferentes e uma dívida de mais de 60 mil euros. “A dada altura perde-se a noção de tudo. Hoje, com os juros e a engenharia financeira que fiz, nem sei bem quanto perdi naqueles anos... talvez 200 mil euros.”

A família começou a desconfiar e um primo que trabalhava no Banco de Portugal decidiu inteirar-se da situação financeira de Helena. “Fui descoberta e o meu filho mais velho encostou-me à parede.” Helena negou tudo. “Como qualquer jogador, tornei-me mestre na arte da manipulação”, refere. Mesmo assim, os filhos obrigaram-na a ir às reuniões dos JA. Há oito meses que começou a recuperação e já foi a mais de 100 reuniões. No grupo, a economista encontrou de tudo. “Pais que chegaram a roubar dinheiro do mealheiro dos filhos, bancários reformados a viver em quartos arrendados, gente que em desespero vendeu aquecedores a óleo na feira por cinco euros. Percebi que afinal não estava sozinha”, conta. O primeiro desafio – deixar de jogar – está, por enquanto, superado. Agora falta pagar as dívidas. O objectivo de Helena é reequilibrar as contas em cinco anos. “Consegui, com a ajuda de uma instituição que apoia famílias endividadas, declarar a minha insolvência pessoal e vou ter de viver nos próximos anos com cerca de 400 euros por mês”, explica.

Carta 2 – O louco A recuperação do vício do jogo, explica o psicólogo Pedro Hubert, especialista neste tipo de dependência, é “particularmente difícil” – porque depois de parar o jogador compulsivo tem de enfrentar as consequências financeiras do vício que manteve. “E que podem durar vidas inteiras”, diz. José, 70 anos, deixou de jogar há oito e ainda continua a pagar dívidas. No espaço de apenas cinco anos deixou mais de 80 mil euros no casino. Durante esse tempo valeu tudo: enganar fornecedores, clientes, coleccionar créditos. “Toda a minha vida e todas as minhas energias eram canalizadas para a sala de jogo”, admite. O vício começou tarde. José começou a jogar já depois dos 50 anos, na sequência de um divórcio. “Sei que sou uma pessoa emocionalmente complicada e jogar – a relação ganhar-perder – funcionava como uma espécie de anestesia para os problemas que estava a atravessar”, recorda.

Todas as noites acabavam da mesma maneira. Sem dinheiro no bolso e a braços com crises de choro, ansiedade e insónias. “Travava uma luta interior imensa. Saía do casino, castigava-me, dava murros no volante do carro, prometia que não voltava a entrar ali, mas no dia seguinte estava lá outra vez.” Durante quatro anos José praticamente não dormiu e era raro comer uma refeição quente. Até que numa noite a sorte lhe sorriu: ganhou 6 mil euros de uma só vez. Meteu metade do dinheiro ao bolso, para fazer obras em casa, e investiu o resto nas máquinas. Perdeu logo os 3 mil euros e nas noites seguintes gastou a quantia que tinha guardado. “As obras em casa avançaram e eu fiquei sem dinheiro para as pagar.”

Entretanto, a empresa que José geria só não se afundou por milagre. “Conheci um jogador anónimo que me arrastou para uma reunião”, conta. No começo não levou aquilo muito a sério. “Mas passado um tempo entreguei-me ao programa. Só aí é que percebi verdadeiramente o estrago que tinha causado na minha vida.” Passados oito anos, José continua a ir às reuniões. “Porque sei que tenho uma doença para toda a vida”, justifica. E passado tanto tempo não deixa de pensar no jogo. “Ainda me apetece, é uma coisa que vai estar sempre no meu imaginário. Gosto de jogar. Mas sei que basta uma só vez para descambar tudo de novo. O melhor é estar afastado, porque sei que as minhas apostas são violentas. Não consigo estabelecer uma boa relação com o jogo”, admite.

Carta 3 – A Justiça Hélder, 37 anos, ainda está a tentar recomeçar. Arranjou emprego há quatro meses e mudou radicalmente de vida. O fundo do poço de cada jogador é diferente e o de Hélder aconteceu no dia 21 de Agosto de 2009, quando gastou o ordenado de 2 mil euros em apenas meia hora. Foi a gota de água de uma história que durou sete anos e acabou no banco dos réus. Quando Hélder perdeu por completo o controlo das dívidas começou a desviar dinheiro no local de trabalho. “Estava numa posição em que contactava com muito dinheiro e acabei por desviar milhares de euros, que canalizava para o casino. Logo eu, que nunca me imaginei a ser capaz de roubar o que quer que fosse”, recorda. Foi apanhado, julgado e condenado a uma pena de prisão suspensa.

Aos 15 anos, Hélder já gastava a semanada toda nas máquinas dos salões de jogos. E a má relação com o dinheiro manifestou-se muito cedo. “Sempre tive tendência para gastar tudo o que tinha. Em roupa, por exemplo. Sentia uma necessidade muito forte de aprovação por parte dos outros e era uma maneira de elevar o meu amor-próprio”, admite. Aos 18 anos entrou pela primeira vez num casino, no Estoril, e um amigo ganhou 40 contos. “Aparentemente o jogo não me dizia nada, mas recordo-me de sentir raiva por ele ter conseguido ganhar e eu não”, recorda.

Entretanto conseguiu um bom emprego – “daqueles para toda a vida” – na função pública e começou a frequentar o casino. Sempre sozinho. Durante anos, as noites foram álcool, jogo e mulheres. Chegou a estar 12 horas seguidas à frente de uma slot machine. Quase todas as madrugadas acabavam em choro e insónias. “Dizia que não ia voltar, mas no dia a seguir já lá estava outra vez.” Foi assim durante sete anos. “Cheguei a sair do casino e não ter dinheiro nem gasolina no carro. Cheguei a remexer em gavetas em casa à procura de moedas para poder comprar uma lata de atum para matar a fome”, recorda.

Para fazer frente às dívidas, contraiu cinco créditos. “O último, da Cofidis, foi de 15 mil euros e nem um mês durou.” Para um jogador compulsivo, a lógica dos créditos é sempre a mesma. “Pede-se e pensa-se que vai dar para pagar tudo e resolver os problemas, mas o dinheiro acaba invariavelmente no casino.” As cartas do banco começaram a aparecer em casa e a família começou a fazer perguntas. “Consegui esconder tudo muito bem até ao fim. Porque havia duas pessoas dentro de mim: o Hélder que ia trabalhar durante o dia e o Hélder que à noite se isolava no casino. E aí valia tudo.” Muitas vezes quando saía para o casino deixava os cartões em casa, mas nem isso servia para controlar os gastos. “Estava no Casino de Lisboa, ficava sem nada, pegava no carro e ia até casa, em Sintra, para os ir buscar”, conta.

Quando foi descoberto no local de trabalho e no dia em que ficou com a conta a zeros, em Agosto de 2009, Hélder decidiu pedir ajuda e juntou-se aos JA. “No início achei aquilo tudo muito estranho, especialmente a parte espiritual dos 12 passos, mas fui dando o benefício da dúvida.” Só no terceiro mês percebeu que tinha de parar de jogar. “E para conseguir parar precisava de fazer tudo de maneira diferente. Falar mais de mim, estar com os meus companheiros. Abrir o jogo.” Com o passar do tempo foi mudando de vida. Inscreveu-se no ginásio, actualizou o currículo, voltou a estudar, começou a fazer voluntariado, arranjou trabalho. Nunca mais voltou a entrar num casino.

“No primeiro ano foi difícil, mais pela questão de não poder jogar.” Mas o pior veio depois, quando as consequências da vida que levou durante sete anos começaram a chegar. “Custou muito saber que já tinha parado de jogar e ter de enfrentar os meus antigos colegas em tribunal”, diz. Passados dois anos e sete meses de recuperação, Hélder diz que tudo mudou. “Estou mais calmo, mais espiritual, sou capaz de olhar para os outros, coisa que antes não fazia”, explica. E continua a frequentar as reuniões, quatro vezes por semana. O programa dos 12 passos é complementado com a terapia individual com um psicólogo, uma vez por semana. “Tento não pensar naquilo que perdi e vivo um dia de cada vez”, remata.

Há cada vez mais jogadores Metade dos pacientes que entram no consultório de Pedro Hubert, um dos poucos psicólogos portugueses especializados na dependência do jogo, só jogam em casinos online – um sector “em crescimento, perigoso e sem regulação”, diz. Por culpa destes casinos na internet, o número de jogadores está a aumentar em Portugal. Mas há outros factores que explicam este crescimento. “Há mais casinos normais, mais bingos. A oferta hoje é muito superior àquela que havia há alguns anos”, justifica o especialista. E a própria crise poderá levar mais gente aos casinos. “As pessoas estão mais dispostas a arriscar e quem tiver a predisposição para a dependência não consegue parar.” Por outro lado, o jogo funciona como uma componente de escape, alheamento e evasão. Sensações, explica Pedro Hubert, “muito procuradas na sociedade actual”.

Os jogadores de casinos online são diferentes dos jogadores tradicionais. São mais jovens, com ordenados maiores e formação superior. Quanto aos jogadores compulsivos dos casinos tradicionais, as estatísticas mostram que 75% são homens, entre os 30 e os 40 anos, com rendimentos médios. Vivem em centros urbanos ou suburbanos. Por norma, descreve o psicólogo, são pessoas “muitíssimo inteligentes” e com carreiras consolidadas. “Têm, por natureza, um perfil competitivo, são desafiadoras, gostam do poder, da novidade, de sensações fortes”, diz o especialista, sublinhando que estas competências são encaradas como mais-valias do ponto de vista profissional e até social na sociedade actual. “Mas quando canalizadas para o jogo tornam-se destrutivas.”

E afinal porque é que um jogador se torna compulsivo? Pedro Hubert explica que existe em quase todos os jogadores uma predisposição genética. “É raro o jogador que não tenha na família alguém que também tenha jogado ou que tenha tido outro tipo de dependência ou um quadro depressivo”, explica. Depois há a componente neurobiológica e factores culturais. “Está demonstrado que quem vive exposto a ambientes de jogo tem maior tendência para se tornar dependente”, refere o especialista. O vício do jogo é um problema com muitas particularidades. É a dependência com maior taxa de suicídios, por exemplo. “Alia a impulsividade e a vertente da competição a momentos de depressão. Estes factores conjugados com os problemas financeiros e os conflitos familiares são fatais”, justifica Pedro Hubert. E a saída é sempre difícil. “Os grupos de partilha, como os JA, são fundamentais, conjugados com terapia individual e o apoio da família”, remata.

Jogadores interditos No ano passado, 359 jogadores compulsivos pediram à Inspecção de Jogos para serem integrados na lista de interdição de acesso aos casinos. O pedido tem de ser feito pelo próprio jogador e é comunicado às concessionárias dos casinos. Caso um casino não cumpra a ordem, é punido com uma multa que pode ir até 1200 euros por entrada permitida. Desde 2008, segundo dados do Turismo de Portugal, foram instaurados aos casinos 17 processos por incumprimento. O jogador também é punido, com uma multa que varia entre os 300 e os 1300 euros. Na prática, a interdição nem sempre funciona. “Pela simples razão de que é impossível controlar todas as pessoas que entram nos casinos”, defende Pedro Hubert.

http://www.ionline.pt/portugal/vicio-invisivel-historias-quem-perdeu-tudo-tinha-no-casino
Se você é capaz de tremer de indignação a cada vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros.



Fred

  • Multimilionário
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Abr 2010
  • Localidade: Porto
  • Mensagens:
    7943
  • Nacionalidade: pt
  • Pts Tipsr:
    38
Bom post :bom:



Fábio Antunes

  • Magnata
  • F
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Set 2005
  • Localidade: Leiria
  • Mensagens:
    218255
  • Nacionalidade: pt
  • Pts Tipsr:
    230
Cada história digna de filme  :nervoso:
QUERES CONHECER O PROJECTO MAIS REVOLUCIONADOR ALGUMA VEZ CONHECIDO NO MUNDO DAS APOSTAS?

:cool: www.betarena.com :cool:



Forum de Apostas


Joao__Pedro

  • Visitante
Sugiro que haja destaque desse artigo no local da dependência do jogo para que não se perca!



mara

  • Magnata
  • m
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Jun 2006
  • Localidade: Vila Praia de Âncora / Covilhã
  • Mensagens:
    46536
  • Nacionalidade: pt
  • Pts Tipsr:
    1633
Cada história digna de filme  :nervoso:
E todos nós temos a nossa parte/cota de vicio, uns mais outros menos (se é que é possivel fazer diferença nisto)....

Tema melindrado que poucos gostam de encarar de frente...

Se você é capaz de tremer de indignação a cada vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros.



Joao__Pedro

  • Visitante
Cada história digna de filme  :nervoso:
E todos nós temos a nossa parte/cota de vicio, uns mais outros menos (se é que é possivel fazer diferença nisto)....

Tema melindrado que poucos gostam de encarar de frente...



Hobby -> Vício -> Desespero

Artigo importante para sensibilizar de modo a que o pessoal tente nem chegar ao 2º ponto quanto mais ao 3º!



Fábio Antunes

  • Magnata
  • F
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Set 2005
  • Localidade: Leiria
  • Mensagens:
    218255
  • Nacionalidade: pt
  • Pts Tipsr:
    230
Cada história digna de filme  :nervoso:
E todos nós temos a nossa parte/cota de vicio, uns mais outros menos (se é que é possivel fazer diferença nisto)....

Tema melindrado que poucos gostam de encarar de frente...

Mesmo !

"Isso só acontece aos outros , eu sei o que estou a fazer"
QUERES CONHECER O PROJECTO MAIS REVOLUCIONADOR ALGUMA VEZ CONHECIDO NO MUNDO DAS APOSTAS?

:cool: www.betarena.com :cool:



Revol

  • Rico
  • R
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Jan 2009
  • Localidade:
  • Mensagens:
    666
    Pts Tipsr:
    11
Infelizmente há muitos e muitos  casos destes e muitos com um final trágico ... este post devia estar junto para aqueles que desejam se iniciar nas apostas leiam isto antes de qualquer outra coisa!
« Última modificação: 12 de Maio de 2012, 12:27 por Revol »



Forum de Apostas


patron

  • Sem Dívidas
  • p
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Set 2009
  • Localidade:
  • Mensagens:
    428
    Pts Tipsr:
    0
mesmo nas apostas existe muitsa situaçoes destas.. tenhum colega daki do porto que começou na tanga apostas online..e depois na bwin no casino com 10 euros nas slots com ganda mijo sacou 1100 euros..pois essa alegria é k o lixou..nao sei o k lhe passou pela cabeça mas ficou iludido e casino da povoa aqui vou eu..esses 1100 k levantou bwin ficaram logo la..credito de mais mil...tmb..ordenados de pelo menos tres meses foi la entregar..pagar mensalidade carr ta quieto, teve k ser irma..resumindo tava a ficar enterradao mesmo..ja tinha saldo negativo 3000 e tal euros.. o k o safou foi amigos falarem com os pais..neste momento nao sei se vai casino ou nao..mas pais é k teem cartoes dele..ordenado controlado por eles..e dao lhe dinheiro tds dias pas despesas.. cuidado mt cuidado



LuísCarlos

  • Magnata
  • L
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Fev 2006
  • Localidade: Évora
  • Mensagens:
    20594
    Pts Tipsr:
    507
Eu casino é algo que não me cativa minimamente...

Chego a ir várias vezes com amigos e não gasto nem 1 tostão... Slots e tudo mais é pura sorte e não me dizem absolutamente nada!



Joao__Pedro

  • Visitante
a única coisa q faço em casinos online é na william hill que de vez em quando dão uma oferta de "gaste até 5 libras nesta slot e se perder devolvemos lhe o dinheiro", não há nada a perder pois se os perderes devolvem te e as vezes até tens sorte e consegues ganhar alguma coisa.

A chave é neste caso saber quando parar !



Fábio Antunes

  • Magnata
  • F
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Set 2005
  • Localidade: Leiria
  • Mensagens:
    218255
  • Nacionalidade: pt
  • Pts Tipsr:
    230
Eu casino é algo que não me cativa minimamente...

Chego a ir várias vezes com amigos e não gasto nem 1 tostão... Slots e tudo mais é pura sorte e não me dizem absolutamente nada!

Já somos 2.. Vou de vez em quando ao casino da figueira com malta, ver a roleta, mesas de cartas, poker e afins, e gasto 1€ numa imperial  :lol:
QUERES CONHECER O PROJECTO MAIS REVOLUCIONADOR ALGUMA VEZ CONHECIDO NO MUNDO DAS APOSTAS?

:cool: www.betarena.com :cool:



Mr_Devil

  • HighRoller
  • M
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Mar 2006
  • Localidade: Águeda City
  • Mensagens:
    8627
    Pts Tipsr:
    66
Sei de um caso de uma homem que tinha um restaurante na mealhada que factura muito mas muito. A dada altura todos os dias no final da noite tirava o dinheiro do caixa e ia para o casino da figueira. Começou um acumular de dívidas. Hoje em dia é empregado de mesa, tem parte do ordenado penhorado para pagar dívidas, não tem património nenhum (e tinha bastante) e vive na casa de um familiar.
Sexo, Orgia, Electrotecnia!!!!



Fábio Antunes

  • Magnata
  • F
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Set 2005
  • Localidade: Leiria
  • Mensagens:
    218255
  • Nacionalidade: pt
  • Pts Tipsr:
    230
Sei de um caso de uma homem que tinha um restaurante na mealhada que factura muito mas muito. A dada altura todos os dias no final da noite tirava o dinheiro do caixa e ia para o casino da figueira. Começou um acumular de dívidas. Hoje em dia é empregado de mesa, tem parte do ordenado penhorado para pagar dívidas, não tem património nenhum (e tinha bastante) e vive na casa de um familiar.

Há gente tão burra  :tapado: :tapado:
QUERES CONHECER O PROJECTO MAIS REVOLUCIONADOR ALGUMA VEZ CONHECIDO NO MUNDO DAS APOSTAS?

:cool: www.betarena.com :cool:



Pedro23

  • HighRoller
  • P
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Mar 2006
  • Localidade: Leça da Palmeira
  • Mensagens:
    9347
  • Nacionalidade: zw
  • Pts Tipsr:
    3
Eu casino é algo que não me cativa minimamente...

Chego a ir várias vezes com amigos e não gasto nem 1 tostão... Slots e tudo mais é pura sorte e não me dizem absolutamente nada!

x2




 


Casas de Apostas: bet pt / Betclic / ESC Online / Nossa Aposta / Casino Portugal

Rede Apostaganha: Apostas / Palpites e Dicas de Apostas / Pronósticos de Apuestas / Betting Tips and Predictions