Autor Tópico: Carlos Moreno conta-nos "Como o Estado gasta o nosso dinheiro"  (Lida 623 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Dunadan

  • Magnata
  • D
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Set 2005
  • Localidade: Lisboa
  • Mensagens:
    218230
  • Nacionalidade: 00
  • Pts Tipsr:
    359
Sábado, 16 de Outubro de 2010
Carlos Moreno conta-nos "Como o Estado gasta o nosso dinheiro"
http://ex-dgemn.blogspot.com/2010/10/carlos-moreno-conta-nos-como-o-estado.html


Carlos Moreno traz a público uma obra a não perder. Intitula-se "Como o Estado gasta o nosso dinheiro", e na sua contracapa diz textualmente:



Todos os dias entregamos ao Estado uma parte substancial dos nossos rendimentos sob a forma de impostos. E acreditamos que o Estado vai gerir esse dinheiro de forma conscienciosa, em obediência a critérios de boa gestão financeira. Não é, porém,o que acontece. Mais vezes do que seria aceitável, o capital que tanto nos custou amealhar é usado em negócios ruinosos com o sector privado; ou desperdiçado em obras públicas que se eternizam ou não fazem sentido económico ou financeiro.

Não só pagamos os impostos, como a factura da sua má gestão. Ao gastar alegremente mais do que tem, o Estado acumula uma dívida. E quem tem de a assumir somos nós, os contribuintes, que pagamos o descontrolo das finanças estatais com novos impostos, e ainda mais sacrifícios.

É um círculo vicioso chocante, consequência de um festim de maus gastos públicos sem fim à vista. É uma realidade que Carlos Moreno acompanhou de perto enquanto Juíz Conselheiro do Tribunal de Contas. Ao longo de 15 anos, assinou mais de 100 relatórios de auditoria, passou a pente fino os gastos com a Expo 98, com as famigeradas SCUT. os Estádios do Euro 2004, o célebre IPE, a Casa da Música, o Túnel do Rossio, o terminal de contentores de Alcântara.

A lista não cabe nesta obra [Como o Estado gasta o nosso dinheiro]. Cabem os casos mais emblemáticos, a frieza dos números, a análise rigorosa, objectiva e implacável do que foi gasto. E porque muito poderia ter sido feito para evitar o gritante desperdício dos nossos impostos, o autor reserva para o fim uma nota de esperança: tanto nós como os nossos governantes temos o poder de fazer mais e melhor para pôr as finanças públicas na ordem.


(Re)veja a entrevista dada ontem por Carlos Moreno a Mário Crespo (SICnotícias).

http://videos.sapo.pt/YSBw2vCE9u71dof1BFzz


Oiça também: Entrevista ao programa "Pessoal e Intransmissível (TSF), em 12 Outubro 2010.


Em 2010, 888m de euros que o Estado teve de pagar aos privados à conta das PPP. E estas só vão custar ao Estado 1600m de euros por ano a partir de 2014... :tapado:
« Última modificação: 04 de Maio de 2011, 20:54 por Dunadan »



Dunadan

  • Magnata
  • D
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Set 2005
  • Localidade: Lisboa
  • Mensagens:
    218230
  • Nacionalidade: 00
  • Pts Tipsr:
    359
em: 04 de Maio de 2011, 21:56
http://economia.publico.pt/Noticia/ninguem-sabe-quanto-dinheiro-deve-o-estado_1463866

http://economia.publico.pt/Noticia/carlos-moreno-as-parcerias-publicoprivadas-nao-sao-recomendaveis_1463864

http://economia.publico.pt/Noticia/estao-em-curso-renegociacoes-nas-estradas-que-serao-escandalosas_1463865


"Neste momento, apurados, estão encargos que, a partir de 2014 e até 2024, só com as concessões rodoviárias, ferroviárias e de saúde, a média de encargo anual para o OE vai ser de 1600 milhões de euros. A Estradas de Portugal vai pagar às subconcessionárias uma renda fixa que deve rondar os 700 e os 900 milhões de euros, por ano, por vias em que as expectativas de tráfego são diminutas, e portanto receitas de portagem são praticamente inexistentes. Mas essa factura vai aumentar, se se confirmar que, tal como todas as ex-scut, também sejam renegociados os contratos em concessões de portagens reais como a Grande Lisboa [CREL], a concessão Norte [A7 e A11], a Douro Litoral [A32] e Litoral Centro [A17]."



Dunadan

  • Magnata
  • D
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Set 2005
  • Localidade: Lisboa
  • Mensagens:
    218230
  • Nacionalidade: 00
  • Pts Tipsr:
    359
em: 04 de Maio de 2011, 22:32



Forum de Apostas

Re: Carlos Moreno conta-nos "Como o Estado gasta o nosso dinheiro"
« Responder #2 em: 04 de Maio de 2011, 22:32 »

urtigas

  • Devedor
  • u
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Abr 2010
  • Localidade:
  • Mensagens:
    160
    Pts Tipsr:
    6
em: 28 de Maio de 2011, 16:59
duna já leste este livro?? recomendo está muito bom...como estou a fazer uma tese sobre PPP comecei por ler esse livro, opa é com cada negociata que se passa ai que até fiquei parvo...



Dunadan

  • Magnata
  • D
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Set 2005
  • Localidade: Lisboa
  • Mensagens:
    218230
  • Nacionalidade: 00
  • Pts Tipsr:
    359
em: 28 de Maio de 2011, 18:04
Ainda não, mas recomendo vivamente, tendo em conta o pouco que conheço sobre o assunto.

Noutro país, com fanáticos pela nação no governo e na administração pública, as PPP teria sido negociadas de outra maneira. Mas ainda assim, dá para renegociá-las e fazer as coisas como deve ser, haja vontade política para o fazer.



urtigas

  • Devedor
  • u
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Abr 2010
  • Localidade:
  • Mensagens:
    160
    Pts Tipsr:
    6
em: 28 de Maio de 2011, 18:16
É um livro que retrata bem a situação de despesismo público que se vive em portugal já há muitos anos, isto não é de agora.

Atenção que as PPP também dão buraco noutros países, há casos escandalosos no Reino Unido, na Dinamarca e na Austrália, só que nestes países existe uma taxa de sucesso para cima de 80%, cá em Portugal acho que temos 100% de PPPs que são mais negócios para os contribuintes.
Em Portugal com as PPPs ganham: as empresas de construção civil, as grandes consultoras, os escritórios de advogados e os ministros que depois passam para o privado. Todos menos o Estado.
Somos o "campeão europeu" das PPPs, mas não temos uma única que seja um bom negócio para o estado, enfim...



Dunadan

  • Magnata
  • D
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Set 2005
  • Localidade: Lisboa
  • Mensagens:
    218230
  • Nacionalidade: 00
  • Pts Tipsr:
    359
em: 28 de Maio de 2011, 18:39
As que correram mal serviram de lição para as outras e/ou são compensadas por todas as outras?


Falaste dos escritórios de advogados, se há coisa que nesta terceira república alguns dos escritórios mais influentes souberam fazer, foi criar uma indústria dos pareceres, em que de manhã fazem as leis nos escritórios e de tarde votam-nas no parlamento. ;) As leis são feitas de tal maneira que depois andam interessados a pedir pareceres e os tipos até são capazes de os fazer para os dois lados da barricada se preciso for! :lol:

A passagem de ministros para o outro lado tem dois casos exemplares: Lusoponte e Mota-Engil.


A própria composição do capital das grandes construtoras também é deveras interessante, mas o que vai ficar para a história foi a utilização dos recursos do Estado que é de todos, para o proveito de apenas alguns.



urtigas

  • Devedor
  • u
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Abr 2010
  • Localidade:
  • Mensagens:
    160
    Pts Tipsr:
    6
em: 28 de Maio de 2011, 22:05
Sim claro, os fracassos viram case studies para não serem repetidos.

Nunca tinha visto as coisas por esses prisma, quando falas da "industria dos pareceres", mas tens toda a razão!!
É a mentalidade tuga, esperemos que isto um dia mude...



Forum de Apostas

Re: Carlos Moreno conta-nos "Como o Estado gasta o nosso dinheiro"
« Responder #7 em: 28 de Maio de 2011, 22:05 »

Dunadan

  • Magnata
  • D
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Set 2005
  • Localidade: Lisboa
  • Mensagens:
    218230
  • Nacionalidade: 00
  • Pts Tipsr:
    359
em: 29 de Maio de 2011, 05:34
A propósito da passagem de gente com responsabilidades no Estado pra os privados, esqueci-me do exemplo mais recente, aqui descrito por José Manuel Fernandes, ex-director do PÚBLICO, e vem na página 39 da edição de ontem do dito jornal:


"Vamos lá ver se percebi bem. A Opway é uma construtora do Grupo Espírito Santo que é accionista da Ascendi, do grupo Mota-Engil. A Ascendi detém a maioria do capital das concessões rodoviárias do Norte, da Costa de Prata, das Beiras Litoral e Alta, do Grande Porto, da Grande Lisboa, do Douro Interior e do Pinhal Interior, num total de 850 quilómetros de auto-estradas.

Almerindo Marques foi presidente das Estradas de Portugal até ao final de Março. No seu mandato o Estado negociou com a Ascendi a revisão de um conjunto de concessões em condições que levantaram as maiores reservas ao Tribunal de Contas e que poderão representar novos encargos para o Estado no valor de milhares de milhões de euros.

Mais: segundo o Tribunal de Contas, a Estradas de Portugal comprometeu-se a fazer pagamentos “que carecem de fundamentação jurídica” e podem acabar no Ministério Público. Nada disto impediu Almerindo Marques de ter, entretanto, assumido a presidência da Opway. Porque, diz ele, “quem não deve, não teme”. Esqueceu-se, no mínimo, que à mulher de César…"



urtigas

  • Devedor
  • u
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Abr 2010
  • Localidade:
  • Mensagens:
    160
    Pts Tipsr:
    6
em: 29 de Maio de 2011, 14:37
LOL. Cada vez mais todos esses negócios estão todos interligados, isto parece uma grande teia de aranha que é controlado por meia dúzia de pessoas e empresas.

A propósito disso recomendo o filme "inside job: a verdade da crise", nota-se claramente o mesmo efeito, só que a um nível muito superior, envolvendo as grandes multinacionais americanas. Ex-directores de de grande bancos vão para o FED, outros vão para a administração Obama etc etc...assim fica tudo mais fácil de contornar a lei...



Dunadan

  • Magnata
  • D
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Set 2005
  • Localidade: Lisboa
  • Mensagens:
    218230
  • Nacionalidade: 00
  • Pts Tipsr:
    359
em: 02 de Julho de 2011, 02:38
duna já leste este livro?? recomendo está muito bom...como estou a fazer uma tese sobre PPP comecei por ler esse livro, opa é com cada negociata que se passa ai que até fiquei parvo...


Já leste este documento: http://opj.ces.uc.pt/pdf/rel_parcerias_publico_privadas_justica.pdf ? :oops:



Dunadan

  • Magnata
  • D
  • Estado:
    Offline
  • Registo: Set 2005
  • Localidade: Lisboa
  • Mensagens:
    218230
  • Nacionalidade: 00
  • Pts Tipsr:
    359
em: 02 de Julho de 2011, 02:59
Mais de 100 Parcerias Publico/Privadas existem em Portugal e envolvem encargos futuros na ordem dos 60 mil milhões de euros...

Cavaco Silva fez as duas primeiras... António Guterres fez mais de 30... Algumas delas chamam-se... SCUT.

Durão Barroso fez mais 6... José Sócrates avançou com mais de 50...

Ou seja, PSD e CDS-PP fizeram apenas 8, o PS fez 112 das 120 PPP contratadas...

A Saúde corresponde apenas a 1%, a Ferrovia apenas a 4%, a Rodovia é que tem a maior fatia: 41%. Todas juntas, correspondem a partir de 2013, a 1600 milhões de euros de encargos médios anuais.


[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=UBmyiQOF24Q&feature=related[/youtube]




 


Casas de Apostas: bet pt / Betclic / ESC Online / Nossa Aposta / Casino Portugal

Rede Apostaganha: Apostas e Prognósticos / Palpites e Dicas de Apostas / Pronósticos de Apuestas / Betting Tips and Predictions / Melhores Cassinos Online Brasil / Mejores Casinos Online de América Latina